Textos

Homens que falam - a origem

Um cinquentão estava tão feliz com seus amigos em um Happy Hour que teve a ideia de criar uma estória que pudesse contar um pouco do que acontecia naqueles encontros e, principalmente, como alguém com mais de cinquenta anos poderia estar tão feliz.

A meia idade traz consigo as consequências dos acertos e erros durante a vida. Aceitar e lutar contra estas consequências faz parte da rotina dos homens maduros desta fase da vida.

São tantas as experiências que rodeiam estes homens que muitos não conseguem conviver com elas, seguindo a depressão, doenças e afastamento das pessoas próximas. São comuns ataques cardíacos, obesidade, separações e agressividades que transformam aquele homem de sucesso em um “monstro”, irreconhecível e perdido. Outras vezes em um menino inseguro e triste.

Ao escrever este livro, a alegria de estar aos 50 anos, de ter amigos e saber lidar com todas estas transformações que ocorrem, foram registradas.

Tony, Mcfly e Baker existem na realidade, eles são pessoa normais, fazem seus Happy Hours simples, tomam uma cervejinha e uns cálices de vinho, olham as mulheres do bar e sonham.

Estar em Paris, Nova York ou Chile, não é o que mais vale neste livro, senão a possiblidade de que todos os homens de cinquenta consigam passar esta fase e ter mais 50 anos de vida feliz e com saúde.

Estar casado com a mesma mulher por mais de 30 anos e continuar saboreando a velhice juntos e vencendo cada desafio que aparece juntos, pode ser uma alternativa viável. Mudar de parceira ou apenas viver só esta nova fase, também é outra alternativa.

Colocar energia para a família ser unida e conviver com amigos é um dever.

O que importa é passar pelos cinquenta anos e conseguir ter energia para ser feliz por mais 50.

O que importa é que estes homens falem, vivam e sejam alegres neste mundo de desafio e obstáculos a serem vencidos.


Tony Bradley
06/07/2017