Minicontos

Cremação

– Querer me trancar na cadeia por que motivo seu delegado? Era vontade dela, não fiz nada por meu querer, não. Que tava bêbado, isso não nego. É minha sina a bebida; fazer o quê? Tava gastinha, só pelanca, dor por todo corpo, de dar pena a coitada. Deu pra invocar a morte, mas queria ser cremada, um desejo antigo, sonho mais louco. E eu desocupado, me enchendo de cachaça, dia e noite. E ela ali, a pobre. Foi um descuido bobo, seu delegado. Sou doido de tocar fogo no barraco por gosto? Quando cortam a luz é vela por todo canto, tava bêbado, lhe falei, tropecei numa delas e a maldita não apagou. Acordei com o fogo e deixei ela lá, não era o que a pobrezinha pedia? Vontade de mãe, obrigação de filho; e o doutor delegado ainda me ameaça com cadeia, pô.




18/03/2011