Contos

O Menino e o Bom Velhinho

Mamãe e papai faziam as últimas compras no shopping. Léo e Nina preferiram esperá-los na linda praça ornamentada para o Natal. E então aconteceu aquela conversa na frente dos dois – era como se fosse um sonho.
O primeiro a falar foi o velhinho.
- Você fica aí todo tempo deitado nesta caminha dura, sem um colchãozinho decente, não lhe doem as costas, Menino?
- Não. Estou acostumado. Você, sim, tão velhinho, aí sentado o dia inteiro, sempre posando pra fotos. Não queria estar no seu lugar.
- Não queria mesmo? Duvido! Você está é com ciúme.
- Não é bem ciúme. Me deitaram aqui no mesmo dia em que armaram esta sua cadeira enorme. Eu fiquei imaginando que só poderia ser para alguém importante – um trono. Só não sabia que era uma celebridade. As crianças só querem saber de você. Eu fico muito triste com esta indiferença.
- Pois deve ser triste mesmo. É que eu fico aqui só para agradar as crianças. E pra elas encomendarem os presentes.
- Mas elas não têm culpa. Aposto que nem meu nome elas sabem.
- Será? Mas você sabe quem sou eu.
- Claro que sei. Há meses que só se fala em você. Você está na TV, no jornal, nas lojas, em toda parte.
- Lá isto é verdade. E você aí vai ficar esperando que o povo se dê conta que é seu aniversário que está pra chegar? Mexa-se. Ponha a boca no trombone, chame os seus amigos anjinhos, eles sabem tocar aquelas trombetas com perfeição, podem convocar um pessoal pra sua festa onde você é que será o homenageado.
- Disso eu ia gostar. De verdade.

- Opa, opa! Vamos ter que encerrar nosso assunto, Amiguinho. Vem vindo um bando de crianças com celulares; está na hora das fotos. Até mais tarde.
- Antes, posso lhe pedir um favor, unzinho só?
- Você manda, meu Menino.
- Eu queria que você levantasse do seu trono e passasse aqui pro meu lado e pedisse que o fotógrafo do shopping batesse uma foto sua e das crianças, comigo junto. Depois você imprime e me mostra. Combinado?
- Combinado.
- Ah, você é mesmo o bom velhinho, Papai Noel. Vai ser meu presente de Natal. Obrigado!

Léo e Nina se olharam muito envergonhados. Eles haviam parado em cada ponto da praça para tirar foto com Papai Noel, apreciar os brinquedos, a árvore enfeitada e os muitos bichinhos espalhados. E que atenção haviam dado ao Menino Jesus em seu berço? Só uma olhadinha. E de longe.
Mas a Festa de Natal com a família, este ano, seria diferente.
Na Noite de Natal, papai, mamãe, os avós, e até o cãozinho Bombom posaram junto ao lindo presépio montado ao lado da árvore.
Léo e Nina, toda vez que batiam uma foto, retribuíam o sorriso que o aniversariante, feliz, enviava do berço.
E Papai Noel, apoiado na parede, aprovava tudo com uma piscadela de olho.


Jacira Fagundes


Jacira Fagundes
28/12/2017

 

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "154511" no campo.