Crônicas

O tempo parado

Luzia Camargo
13/08/2021




O tempo parado


O tempo parou e não sei quando tudo isso vai passar. Aos poucos vou aprendendo a
caminhar no mesmo lugar, dentro de um mesmo tempo, a cada dia um outro dia se
repete.
Quando saio a rua coisa rara, vejo pessoas negando os fatos que estamos vivendo, essa
pandemia. Elas usam máscara no queixo, no pescoço ou abaixo do nariz,só tapando a boca. São eles os chamados negacionistas da situação que vivemos.
Mesmo quando faço caminhadas na pracinha perto de casa cruzo na pista com corredores sem máscara, não deixo de usá-la mesmo sendo mais incômodo para respirar
se exercitando mesmo já estar com a segunda dose da vacina.
Muitos acreditam não precisar mais a máscara depois de completar a segunda dose da
vacina. Estão muito enganados, pois podem estar transmitindo a covid para outros sem saber. Vejo aglomerações em passeatas contra o governo, coisa que é contra o censo de
responsabilidade. Festas clandestinas são promovidas como se não estivéssemos vivendo
este momento sombrio com mais de quinhentos e cinquenta e cinco mil mortes só no Brasil.
Fico também me cobrando responsabilidade quando vou sair de casa. Saio para consultas, sei que é necessário. Tentei também iniciar um treino na academia. No primeiro dia, observei os protocolos de cuidados no local, mas não me senti segura, acabei cancelando.
Notei que desde que ficou a cargo dos municípios relaxar as regras de distanciamento as coisas vem de mal a pior. O número de casos vem aumentando verticalmente. As informações de baixa no número de mortes vem mascarando a situação.Quando divulgam o número de vacinados, as pessoas se enganam e pensam que podem relaxar os cuidados. Nada disso, com o surgimento de novas cepas principalmente da delta.Essa com maior velocidade de contaminação não é hora de se descuidar.
Hoje já temos o governo federal aliado ao plano vacinal, coisa que antes não acontecia.
Eu continuo fazendo a minha parte quanto ao distanciamento e divulgação de informações
verdadeiras.Sei o quanto as falsas notícias tem atrapalhado o combate a propagação da
covid.
Vivo nesta bolha de tempo que continua a se expandir e parece nunca chegar a hora de estourar para libertar a todos nós desta prisão de tempo chamada “covid”,que alterou o estado de saúde de tantos e de todos seres neste planeta.
Vive se uma história de ficção científica além da realidade. Quando tudo acabar não quero
lembrar estes dias cinzentos e de tanto pesar para a humanidade.Vou recuperar meu estado de espírito e recuperar esse tempo estagnado.




Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "441710" no campo.