artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

Vibrações femininas
Luiz Paulo Faccioli

Ainda que se tente negar, há preconceitos ineludíveis ao leitor contumaz diante de um livro de estreia. Ao reconhecer nele uma coletânea de contos ou de crônicas, de pronto vai surgir a desconfiança de que o autor é mais um seduzido pela falsa ideia de que as formas curtas são mais fáceis que o romance — isso sem falar da poesia que, no mesmo sentido, é a mais perigosa das portas de entrada na literatura. Uma editora desconhecida leva a pensar numa edição paga, e lá se vai um ponto a menos na opinião de quem preza a chancela de uma casa editorial de renome. Se, além disso, o autor assinar ainda a capa, o projeto gráfico e a editoração, baterá forte a suspeita de que a obra não passa de um capricho de alguém que levou a sério a velha máxima de que só conhece a completude na vida quem plantou uma árvore, gerou um filho e escreveu um livro, mas teve de se virar sozinho para realizar este último quesito. Noutras palavras, um artesão com pretensões de ser artista.

Vibratio, primeiro livro da porto-alegrense radicada no Rio de Janeiro Catarina Pereira, nasce desafiando preconceitos. A coletânea de dezenove contos curtos é recém o terceiro título lançado pela editora carioca Cais Pharoux, e a própria autora é quem assina a capa, o projeto gráfico e a editoração. O resultado é uma bonita capa preta, concebida sobre xilogravura de Horácio Soares e com detalhes em vermelho e branco, embalando um miolo em papel de gramatura privilegiada que, das ilustrações à escolha da tipologia, revela elegância e bom gosto. Num terreno onde há muito o profissionalismo dita as regras e onde cada vez menos leitores se dispõem a garimpar um eventual grande talento escondido atrás de uma edição que pareça de alguma forma amadora, a edição não faz feio, bem pelo contrário.

O livro se divide em três partes. Em cada uma delas, os contos vêm ordenados com base na idade das diferentes protagonistas, todas femininas. Cada parte emula assim um ciclo de vida, iniciando sempre com uma história de infância e encerrando com uma de velhice. Há na contracapa um desenho emblemático em vermelho que vai depois se repetir em preto e branco nas páginas de abertura de cada uma das partes. Lembra uma sobreposição de gráficos de batimento cardíaco ou de ondas — de algo que vibra, enfim. Densas e contidas no início, as linhas vão se expandindo no decorrer da primeira metade em movimentos mais amplos, alguns circulares, que passam uma ideia de intensidade mas também de caos, para depois suavizarem paulatinamente em busca de um fluxo mais contínuo. As linhas ao final, embora ainda sinuosas, correm quase em paralelo, e algumas desaparecem pelo caminho. O desenho tem assim tudo a ver com o título do livro e sua concepção.

Mas o toque esotérico termina aí. Ao chegar finalmente a Perfume de jasmim, depois de cruzar com a bela epígrafe de Cecília Meireles — “meus olhos estarão sobre espelhos, pensando nos caminhos que existem dentro das coisas transparentes” —, o leitor vai comprovar que a autora tem os dois pés bem firmes no chão. O conto que abre o livro, um dos melhores do conjunto, traz a história da menina e sua primeira menstruação narrada com leveza, bom humor e a precisão de quem sabe desde o início exatamente aonde quer chegar. Se o desfecho não chega a ser um soco no estômago, ele traz uma suavidade incômoda calcada no binômio dor-prazer, algo inevitável na trilha da descoberta do sexo.

Leveza, bom humor e objetividade são traços do estilo de Catarina Pereira que vão se repetir no decorrer do livro, refletindo à perfeição o caráter das personagens: são quase todas mulheres bem-resolvidas ou em vias de se resolver, e sempre seguras do que querem na vida, mesmo quando isso estiver longe de ser conquistado. Os relacionamentos amorosos são recorrentes como tema, e eles revelam aquilo de que os homens já suspeitavam: elas conseguem ser muito mais frias, ardilosas e determinadas do que se mostram à primeira vista. Nas questões afetivas, são elas quem de fato dão as cartas e controlam o jogo. “Feiticeiras pós-modernas”, segundo a ótima definição de João Paulo Vaz na orelha do livro, que resume: “por muito tempo, o desejo da mulher foi ameaça. O demônio no corpo. Todas as personagens (...), de uma forma ou de outra, fazem acordos com seus demônios”.

Vibratio é um livro consistente, bem estruturado e cuja unidade temática não tira a possibilidade de surgirem boas surpresas durante a leitura, em especial sempre quando aflora o humor irônico e afiadíssimo da autora. O livro termina com o leitor já querendo saber do próximo. E esta é a prova mais eloquente de que Catarina Pereira atingiu plenamente seu objetivo. 

Trecho: 

De repente me vi com marido, dois enteados, sogra, ex-mulher. Família grande demais. Ao menos para mim, eremita irremediável, separada por absoluta intolerância de gênios, sem filhos — a golpes de sorte e de cureta.

Dois garotos pulando pela casa, um pai permissivo para evitar os traumas das separação, uma ex-mulher ao telefone, a qualquer hora, por qualquer febre ou dor de barriga era muito mais do que eu poderia suportar. 

Publicado originalmente em Rascunho, edição de fevereiro/2009


24/04/2009

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "090809" no campo ao lado.
 
  

 

  Luiz Paulo Faccioli

LUIZ PAULO FACCIOLI nasceu em Caxias do Sul em 1958 e lá viveu até 1977, quando mudou-se para Porto Alegre, cidade onde mora atualmente. É músico, compositor, juiz Allbreed e Instrutor pela The International Cat Association — TICA. Autor de Elepê (contos, WS Editor, 2000), Estudo das Teclas Pretas (novela, Record, 2004), Cida, a Gata Maravilha (infanto-juvenil, Galera Record, 2008) e Trocando em miúdos (contos, Record, 2008), participou das antologias Porto Alegre: curvas e prazeres (contos eróticos, WS Editor, 2002), Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século (Ateliê Editorial & eraOdito editOra, 2004) e 35 segredos para chegar a lugar nenhum (crônicas, Bertrand Brasil, 2007), entre outras. Integrou o grupo Casa Verde, participando das seis coletâneas lançadas pelo selo entre 2005 e 2008: Fatais, Contos de bolso, Contos de bolsa, Era uma Vez em Porto Alegre, Contos de algibeira e Contos comprimidos. É crítico literário, colunista de literatura da Band News Porto Alegre e colunista do portal Artistas Gaúchos.

lpaulof@terra.com.br
www.luizpaulofaccioli.com
twitter.com/lpfaccioli


Colunas de Luiz Paulo Faccioli:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na