artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Reflexão

Obra e pessoa
Caroline Rodrigues

Durante a faculdade de Letras, uma das minhas professoras de literatura brasileira pedia que analisássemos obras literárias sem levar em consideração a biografia do autor ou da autora. Ela dizia que as experiências vividas pelo escritor ou pela escritora não deveriam aparecer em nossos trabalhos, os quais deveriam focar somente na obra em si. Eu ficava muito intrigada com aquela proposta e nós tínhamos grande debates sobre o tema. Muitas colegas, como eu, defendiam a ideia de que as experiências daquela pessoa influenciavam diretamente a sua obra e que, por isso, deveriam ser parte dos nossos estudos.

Naquele mesmo semestre, a instituição promoveu a semana acadêmica de letras e um dos convidados foi o escritor Tabajara Ruas. Esse encontro com o autor aconteceu em um auditório e, depois de sua fala, foi aberto o momento para perguntas. Eu nunca fui muito de perguntar em eventos dessa natureza, mas vi ali uma oportunidade de ouvir da boca de um escritor o que ele achava sobre a nossa discussão em aula. Ergui o braço e recebi o microfone. No mesmo instante, vi a professora sentada na plateia, mais à frente. Elaborei uma introdução explicando o embate que tínhamos em aula e olhei para ela, sorrindo. Tínhamos uma boa relação e vi que não haveria problemas em fazer o relato. Finalizei perguntando se ele achava que as experiências da vida dele influenciavam nos seus escritos.

Ele, como possivelmente todo escritor e toda escritora, de forma sensata, elaborou uma resposta dizendo que, de uma forma ou de outra, sempre havia resquício de experiências pessoais em suas obras. Não lembro exatamente quais foram as suas palavras, mas era algo no sentido de que era impossível escrever algo sem que aquilo fosse parte de si.

À época, foi divertido adicionar esse olhar aos nossos debates de aula e nós, alunos e alunas, brincávamos de ter razão sobre o tema. Porém, hoje, eu entendo o que a professora queria dizer. Ela é uma estudiosa da literatura e ela vê a literatura como uma ciência. Ela tentava explicar que a obra existe e é completa em si. O fato de o escritor ou a escritora ter vivido algo parecido é irrelevante porque isso não faz diferença no valor literário do que escreveu. É possível afirmar que a influência existe; no entanto, não precisa ser parte integrante de uma análise literária.

Lembrei do exemplo de Emily Brontë, autora de “O Morro dos Ventos Uivantes”, uma obra tensa, com muita paixão e violência. Se considerarmos que passou boa parte da vida dedicada a tarefas domésticas e a ensinar catequese, além de ficar muito tempo sozinha em casa, por certo teremos dificuldades para relacionar suas experiências pessoais ao que pôs no papel.

Talvez um pouco da vontade de vasculhar a vida dessas pessoas está atrelada ao usual fetiche de saber sobre a vida privada do outro. Haja vista as revistas e os sites de fofoca que existem há anos e rendem fortunas esmiuçando cada detalhe sórdido de pessoas famosas. A curiosidade sobre a pessoa é natural e é evidente que, depois de passar um bom tempo imersa em sua obra, queiramos saber um pouco mais sobre o indivíduo que nos proporcionou aqueles momentos. De qualquer forma, a obra é como uma planta para um biólogo, um animal marinho para um oceanólogo ou uma equação para um matemático; ela vive e está pronta para ser analisada e admirada na sua totalidade.

11/09/2018

Compartilhe

 

Comentários:

Prezada Caroline, de minha breve experiência como escritor, diria que tudo o que escrevemos está em nós, em nossa mente, sentimentos, afetos. Um pouco disso, dependendo de cada um, vem das experiências objetivamente vividas, captadas pelas pessoas e perceptíveis de suas vivências. Então, por menor que seja a influência de seu mundo externo na obra, vale sim, e muito, conhecer a vida objetiva do autor para melhor entender sua obra. Assim me parece, sem maiores certezas. Um abraço, Léo
Léo Ustárroz, Porto Alegre 13/09/2018 - 08:28

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "361704" no campo ao lado.
 
  

 

  Caroline Rodrigues

Caroline Rodrigues é licenciada em Letras e mestra em Linguística Aplicada. Atua como professora e tradutora de língua inglesa. Desde o ano passado, cursa oficinas de criação literária e, como resultado, teve, em 2018, um conto publicado em coletânea. Sempre foi, e continua sendo, apaixonada por livros e literatura. Mora com seu filho em São Leopoldo. Escreve contos, minicontos e poemas.

caroline.letras@gmail.com


Colunas de Caroline Rodrigues:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na