artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Teatro

A doce bárbara
Isabel Bonorino

No palco, uma Maria Bethânia gaúcha, no nosso melhor estilo bairrista, conta sua trajetória insólita desde que saiu de Bagé indo a pé à Santo Amaro da Purificação, na Bahia. Na plateia, o público disposto em mesas como em uma casa de shows, ouvia e cantava os sucessos da MPB. Ela é simplesmente neta de uma mulher chamada Bibiana; pelo riso do público, associada a uma das maiores personagens da literatura gaúcha e brasileira. E assim começou no Ocidente, dentro do Porto Verão Alegre, o musical de Antônio Carlos Falcão. O ator aos poucos foi se soltando e dando vida a sua Bethânia. O cenário, apesar de simples, imita o de um show, com plateia e músicos de verdade. As comparações estapafúrdias da personagem mostram pontos em comum entre as culturas baiana e gaúcha: o tradicional coco da Bahia tem no chimarrão seu equivalente, assim como as agitadas noites baianas e as tertúlias nativistas.A mistura do canto com o recitativo dá ao espetáculo um ritmo ágil, que envolve e diverte o público por boa parte do tempo. Frases de Freud e Eduardo Galeano são declamadas costurando as cenas e emocionam pela sutileza de cada escolha.

Do chuveiro para o palco

Tudo começou em 1981, quando Falcão ainda cantava em casa, no chuveiro, ou com um grupo de amigos e, despretensiosamente, por diversão, imitava Maria Bethânia. Em mais um dia de cantoria, um diretor de teatro achou a brincadeira do ator divertida e incentivou-o a fazer o mesmo no palco. “Ele pegou uma peruca e colocou na minha cabeça e me disse: Faz!”, revela o ator. Vinte anos depois, o espetáculo ganhava os teatros de Porto Alegre. O começo foi tímido; primeiro à capela, Falcão fazia a oração da “Mãe menininha” e um grupo de bailarinos dançava a seu redor. Ney Lisboa gostou do que viu e, por dois anos, o ator fez uma participação em seu show no papel de “cantora convidada”. Em um evento que apresentou um documentário sobre a cantora baiana, promovido pelo Santander Cultural, Falcão aparecia ao final cantando caracterizado de Bethânia. “As pessoas achavam que realmente era ela, mas depois entenderam que não era nada daquilo”, recorda divertido. Hoje, já amadurecido, o musical, leva o público do riso ao encantamento, à surpresa com a performance do artista que consegue encarnar de maneira surpreendente a grande diva da MPB.

O vôo de Falcão

O ator e diretor Antônio Carlos Falcão conta que a personagem foi criada para não cansar o público, que talvez não suportasse uma hora inteira somente com imitações. “Resolvi criar uma personagem para me distanciar dessa coisa da imitação pura e simplesmente”, explica o diretor. O repertório do espetáculo “A doce bárbara” é baseado no show de 1976 do grupo “Doces Bárbaros” (idealizado por Bethânia, com Caetano Velloso, Gilberto Gil e Gal Costa, em comemoração aos 10 anos de carreira solo dos cantores) e já é apresentado há 8 anos. Apesar de não considerar sua voz parecida com a da cantora, o também cantor Falcão reconhece que em determinados momentos consegue timbre semelhante ao da irmã de Caetano Velloso. “A Bethânia vem carregada de teatro, da tragédia. Acho que fica mais fácil quando se tem uma pessoa tão singular como ela”, comenta o diretor sobre a preparação da personagem. A interpretação de músicas como “Atiraste uma pedra” e “Convexo” mostram o talento do artista, que surpreende o público também pelos trejeitos característicos de Maria Bethânia. Fã da baiana, para Falcão não foi problema aprimorar seu desempenho no palco. O ator a considera a maior intérprete brasileira (em 2008, a cantora foi a primeira intérprete a ganhar o prêmio Shell de Música, dado anteriormente somente a compositores) e, sempre que pode, assiste a todos os seus espetáculos e entrevistas, lê o que sai em revistas e tem todos os CDs. “Eu não queria fazer nenhuma brincadeira que pudesse denegrir a imagem da Bethânia”, confessa Falcão. Disciplinado, o diretor, ator e cantor cuida da voz evitando locais com ar condicionado. Ele atribui às aulas de técnica vocal com Marlene Goidanich a melhoria no seu desempenho. Acertadamente, as músicas “Atiraste uma pedra e “Negue”, com impecável interpretação de Falcão, não saem do repertório de “A Doce Bárbara”. Outro ponto alto do musical é a boa imitação de Chico Buarque, que leva o público às gargalhadas. Tirando a inexplicável aparição de um Ney Matogrosso que simplesmente `baixa` no palco e não contribui muito com o espetáculo, o que se vê é uma hora de diversão e boa música com direito a bis, mesmo sem patrocínio, aliás, necessário a todo artista, gaúcho ou não.

Carlo Falcão começou a fazer teatro em 1978, em Porto Alegre, tendo feito também cinema e comerciais de tv. Hoje, compõe e canta as próprias canções. Além de “A doce bárbara”, entre os espetáculos feitos ao longo de sua carreira, o destaque vai para “Salão grená”, “Happy end”, “Entre quatro paredes e o infantil “Pedro Malazarte”. Investindo agora na carreira de músico, como cantor e compositor, Antônio Carlos Falcão apresenta seu novo projeto “Aprendiz de feiticeiro”, ainda sem data para lançamento.


26/02/2009

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "493407" no campo ao lado.
 
  

 

  Isabel Bonorino

Isabel Bonorino é jornalista, radialista e relações públicas. Musicista, dedicou-se ao canto lírico de 1995 a 2005, atuando como soprano nos corais da Ospa e PUC. Foi colaboradora da Revista Literária Blau e produtora/apresentadora na Rádio da Universidade, onde criou o programa "UFRGS em Canto". Atualmente é produtora e repórter da TV Assembléia.

isabel@artistasgauchos.com.br
twitter.com/ISAbonorino


Colunas de Isabel Bonorino:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na