artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Carta a Machado de Assis
Beto Guimarães

Em relação ao texto de Pedro Stieh publicado no artistas Gaúchos em 27-08-2008 sobre o centenário de Machado de Assis, concordo plenamente com a citação do Ítalo Calvino em relação aos clássicos, quando ele fala que é muito melhor ler Machado de Assis do que não ler. E ainda posso acrescentar que em se tratando de Machado, não basta ler seus livros apenas uma vez na vida. Experiente fazê-lo pelo menos em duas fases distintas de sua existência: uma primeira vez na juventude e uma segunda já na meia-idade; posso garantir que as impressões da leitura Machadiana serão totalmente diferente em cada fase. Para terminar, deixo de presente para o artistas gaúchos um texto de minha autoria: Carta a Machado de Assis,o qual assino sob o pseudônimo Beto Guimarães.


Carta a Machado de Assis

Ilmo senhor Joaquim Maria Machado de Assis.

As razões que me levam a redigir esta missiva são duas. Uma primeira, de conteúdo auspicioso e porque não dizer de júbilo, que decerto está causando rebuliços entre aqueles que se deixam embevecer pelas obras dos grandes escritores. E uma segunda, onde o alvissareiro passa ao largo da razão; se bem me faço entender. Cada uma, no seu devido tempo, será abordada para melhor elucidar as suas, das razões é claro, intenções.

Meu caro Machado, tu que fostes um mestre da psicologia humana, haverás de me perdoar pela irreverência deste tratamento na segunda pessoa, que ora me permito utilizar. Na verdade, se assim o faço, é por acreditar que essa pretensão é capaz de me fazer aproximar da tua aquiescência para com as minhas intenções, uma vez que nunca tomastes conhecimento deste “louco” que ora ousa dirigir-te a palavra.

Tantas são as emoções que me arrebatam neste momento, que terminei por me esquecer das apresentações. Digo agora, sem receios, em primeira intenção o que não sou, e por fim, o que sou. Tenho a plena convicção de que não me encaixo no grupo de indivíduos que por razões mercenárias ou profissionais fazem da literatura um meio de vida. Tampouco me aproximo daqueles passionais que transcendem a realidade ficando apenas à mercê de um fútil mundo literário onde apenas o imaginário prevalece. Um ou outro, não me cabe analisar. Deixo este encargo a teu julgamento, porque em se tratando de assuntos que envolvem a alma humana, tu és um verdadeiro “connaisseur” (permito-me utilizar o francês porque sei que tu eras um amante deste idioma). E para concluir este capítulo, o das apresentações, te deixo saber que sou um cidadão, um homem, enfim um chefe de família e pai de dois filhos que ultimamente anda deveras preocupado com o rumo e os caminhos tortuosos que nossa língua portuguesa está a percorrer. Agora mesmo já te explico os motivos de tanta agonia.

Para um bom entendimento do que vou expor, se faz necessário voltar no tempo para que possamos estabelecer um paralelo com o que ocorre nos dias de hoje. Senão vejamos: em tempos idos, prevalecia neste país uma doutrina de ensino, da qual tive ainda o privilégio de ser contemplado, onde o aluno era simplesmente aluno e o professor exercia soberanamente a sua função, ou seja, ensinar. Lembro-me que nessa época, ao aluno do ensino básico era dada a oportunidade de ler textos de escritores consagrados da literatura de língua portuguesa (foi quando li, pela primeira vez, vários de teus textos) e muitas vezes os líamos dentro da sala de aula, quando então éramos arguídos pelo professor, que assim podia avaliar o ganho de compreensão e o raciocínio de seus alunos, além de estimular o gosto pela leitura, fator de suma importância na formação acadêmica de qualquer indivíduo. Por outro lado, a distância entre aluno e professor era mantida e respeitada dentro de limites aceitáveis; a palmatória, castigos mais severos, tal qual ficar ajoelhado sobre o milho, esses já haviam sido abolidos como forma de punição ao aluno mais rebelde. Nada mais justo, afinal de contas mudanças se faziam necessárias para acompanhar conceitos mais modernos em um mundo em constante evolução. O Homem viajava até a lua; um pouco antes disso surgia aqui no Brasil, a televisão - máquina de fazer malucos e transformar cidadãos quase normais em idiotas (esse conceito não é meu, porém concordo plenamente com ele) - e outras modernidades que com certeza não fizeram parte de teu tempo. E mais, da década de oitenta (se a memória não me trai, foi nessa época) para os dias atuais, uma outra fantástica máquina, o computador, vem ganhando espaço dentro do país com uma velocidade de fazer inveja a qualquer maratonista. Trata-se de um aparelho que tem por finalidade facilitar a comunicação entre as pessoas, a ponto de dois indivíduos poderem estabelecer um diálogo em tempo real, mesmo estando eles em pólos opostos no planeta (para simplificar e facilitar o teu entendimento, basta imaginar um telégrafo e suas utilidades; isto feito, multiplique por mil e tu verás a serventia de um computador).

Em decorrência do acima exposto podemos dizer que muitas coisas foram eficientes em sua evolução natural e outras nem tanto, por exemplo, a relação aluno-professor e vice-versa está por muito comprometida, a tal ponto que frequentemente somos noticiados que professores foram ameaçados fisicamente por alunos. Por outro lado muitos desses mestres não se dão o devido respeito, ao participarem de rodas de alunos, facilitando uma aproximação extracurricular de natureza duvidosa. Aquela televisão de que te falei não desempenha, na educação, um papel efetivo, uma vez que os programas educativos são apresentados em horários completamente descabidos com relação ao tempo diário disponível dos estudantes. O tal computador, que poderia ser uma arma valiosa no ensino, é muito mal empregado nas escolas, mesmo naquelas que o possuem. Para agravar o problema, a linguagem usada como veículo de comunicação neste aparelho, é tudo que se possa imaginar, exceto a língua portuguesa. Decerto haverás de me perguntar quais as providências que as autoridades constituídas tomaram em relação a esta desordem. Antecipadamente já te posso responder que nenhuma. Para não ser completamente injusto, conto que eles resolveram fazer uma reforma ortográfica na nossa língua, reforma esta, se a memória não me trai, já vem sendo programada faz pelo menos vinte anos (não penso que esta seja a solução para tais problemas). Para complementar este caos, não poderia deixar de citar o quanto os professores andam insatisfeitos com suas remunerações (tenho pena dos coitados, andam a mendigar); na verdade posso te dizer que ao longo de toda a minha existência, nunca ouvi da boca de qualquer governante ou político ao menos a intenção honesta de resolver esta justa reivindicação.

E onde posso eu entrar nessa história que estás a me relatar? Esta é a pergunta lógica que tu haverás de fazer depois de tudo que te passei.

Confesso-te que o motivo real de pretender te envolver nesses problemas é por acreditar que somente alguém dotado de uma inteligência superior possa nos ajudar(esse superior não faz referência à tua condição atual moradia), e mesmo porque tu foste um daqueles que sempre amou e fez questão de preservar a nossa língua, durante o tempo que passaste aqui na Terra. O que te peço é simples. Que de alguma forma descubras um meio de nos enviar alguma mensagem elucidativa para que possamos resolver os problemas os quais relatei, porque com os intelectuais daqui a esperança já não resta. Caso não esteja ao teu alcance resolver pessoalmente a questão, peça que Ele interfira a nosso favor; não sei como funciona a hierarquia aí em cima, mas de qualquer modo acredito que tu desempenhes uma nobre função, bem próxima a Ele, quem sabe um assessor de imprensa ou qualquer coisa que a isto se assemelhe.

Se por alguma razão receberes esta carta (missiva) com atraso além do previsto, não te surpreendas, isto porque os funcionários dos Correios entraram em greve por mais uma vez. Além disso, quando lá estive, questionaram o teu endereço e o CEP. O que tenho sob a minha guarda é: Rua dos Mestres, Ala dos Romancistas, Bairro Paraíso, Céu. CEP: nº infinito (faça a correção caso eu tenha me equivocado).

Sem mais, humildemente te peço que recebas estas mal traçadas linhas e dentro do possível responda num curto espaço de tempo.

Rio de janeiro, 19 de novembro de 2008. Beto Guimarães

Em tempo: Quase me esqueço de mencionar que por aqui estamos “festejando” cem anos do teu passamento. Muitos eventos literários estão agora a lembrar de ti e da tua inesquecível obra.


17/03/2009

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "564603" no campo ao lado.
 
  

 

  Resenhas

As resenhas pubicadas no portal Artistas Gaúchos são de inteira responsabilidade dos articulistas. Se você deseja enviar um texto, entre em contato com o editor do portal. Não é necessário estar cadastrado no portal para enviar resenhas e a veiculação ou não é uma escolha editorial.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Resenhas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na