artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Música

Notas fúnebres e musicais
Rubem Penz

Jazz died in 1959

Nicholas Payton

Teria mesmo morrido o Jazz? Ao menos é isso que apregoam alguns músicos mais puristas, estudiosos e consagrados. Mas o que dizer do Tango? Ou do Choro, da Rumba, do Blues, do Rock? (a lista pode ser numerosa) Bom, se o Jazz nos deixou em 1959, tese do trompetista Nicholas Payton, e os demais movimentos anos antes ou depois por extensão de raciocínio, o que nós, artistas, estaríamos fazendo sobre os palcos? Depois da morte, até onde sei, vem o silêncio. E silêncio não há.

Observo que o filosófico tema de vida e morte nas manifestações artísticas rende vastíssima pauta. O pessoal adora digladiar sobre quando nasceu ou morreu determinado estilo, quem foi o pai, a mãe ou o médico que assinou o óbito (depois de receitar tranquilizantes além da conta...). Também quem embalou seu crescimento, com quem se relacionou e se deixou descendentes legítimos ou bastardos.

A Bossa Nova, por exemplo, alimenta uma farta polêmica sobre sua paternidade. De acordo com Ruy Castro, o verdadeiro pai da música é o pianista Johnny Alf. O senso comum – ou um lobby melhor construído – jura que foi o João Gilberto a fecundar a batida e gerar os primeiros acordes. Um frágil consenso paira sobre o dia e local do parto: teria ocorrido nos estúdios de gravação do álbum Canção do amor Demais, de Elizeth Cardoso. O que nos remete a Tom & Vinícius, outros implicados na fornicação. Além desse pessoal citado, pode-se, fácil, elencar mais dez, vinte candidatos... Aliás, como sempre acontece quando o filho é bonito.

Voltando ao Jazz – e ao passamento – teria o estilo morrido de causas naturais? Suicidou-se prevendo que o então pequeno Kenny G, mal saído das fraldas, aprenderia saxofone? Ou seriam novas correntes de criação a sufocar o Jazz, tomando toda a atenção? Na lógica, podemos inscrever a Bossa Nova como candidata à asfixia, lembrando que ela nascera em 1958, véspera do suposto óbito do outro. Uma quarta hipótese pode defender que nem o Jazz, nem o Elvis, morreram de verdade. Um vive incógnito em Memphis, ganhando a vida como imitador de si mesmo (e longe de ser o melhor). O outro segue saudável em New Orleans, íntegro e altivo no Bairro Francês. Cobrando-me visita, inclusive.

Sem almejar o peso da razão, minha teoria é a seguinte: morreram de verdade o momento e a circunstância que fizeram nascer o Jazz (e o Bolero, a Milonga, a Marcha Rancho, o Frevo...). Aí estão pai e mãe. Os músicos da época foram aqueles aos quais a notícia chegou, cumprindo a função de propagá-la. A magia do artista é ser capaz de compreender o recado; seu valor é dominar a técnica que permita transmitir o recado; seu sentido de vida será o de cumprir tal missão. Porém, nascido o estilo (a vertente, a batida, o movimento), mesmo tendo falecido os pais, o próprio seguiu fecundando novas almas e mentes. O Jazz não morrerá jamais porque ele mesmo trata de sua sucessão. Já não é mais filho: agora é pai e avô. Também é mãe. E pariu com sucesso, quem diria, até o Kenny G...


12/12/2011

Compartilhe

 

Comentários:

Caros colegas leitores, enviei um texto em resposta sem revisão ortográfica, mil perdões...ai vai novamente com meu respeito a todos!

Bah!Este Jazz é fantástico... Sem duvida o movimento mais organizado e embasado do século XX. Para mim , isto se deve ao simples fato de que o material humano foi fundamental para este sucesso e profundidade.Os músicos do Jazz precisam e sempre precisaram saber muito a respeito de musica (teoria e técnica)para poder desenvolver suas habilidades de improvisação, ao contrario do que muitos pensam, a improvisação não vem dos céus nem da mágica...vem do estudo e da formação de uma conceito...haja visto Miles Davis, John Coltraine...
O mesmo aconteceu na bossa nova,que ao meu ver tem suas raízes antes ate do fantastico J.Alf, na musica de Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto, que tocava no Bando da Lua, com Carmen Miranda e que já trazia em sua musica inteligente e arrojada, os traços do que viria a ser a Bossa Nova...isto sem falar nas articulações organizadas dos membros deste movimento, como o grande Tom Jobin , que alem de extremamente musical era um estudante inveterado das obras impressionistas de Debussy, de Villa Lobos e da obra de Drummond de Andrade.., Baden Powell também, genial , se valeu dos estudos do choro, da musica clássica e do jazz também...mas dai faço uma pergunta a quem quer que a musica do Rio Grande do Sul saia pelo mundo e conquiste outros espaços ...e reclama que nada ou quase na da acontece:
Será que estamos tendo atitudes semelhantes a estes dois grandes movimentos musicais?
Parabéns Ruben Penz, você escreve fantasticamente, só quis complementar!
Um abraço a todos
Maurício Marques
Maurício Marques, Viamão 14/12/2011 - 20:54
Bah!Este Jazz é fantastico...sem duvida o movimento mais oorganizado e embasado do seculo XX.Para mim , isto se deve ao simples fato de que o material humano foi fundamental para este sucesso e profundidade.Os musicos do Jazz precissam e sempre precisaram saber muito a respeito de musica (teoria e tecnica)para poder desenvolver suas habilidades de improvisação, ao contrario do que muitos pensam, a improvisação não vem dos céus nem da magica...vem do estudo e da formação de uma conceito...haja visto Miles Davis, John Coltraine...
O mesmo aconteceu na bossa nova,que ao meu ver, tem suas raizes antes ate de .Alf, na musica de Anibal Augusto Sardinha, o Garoto, que tocava no Bando da lua, com Carmen Miranda e que ja trazia em sua musica inteligente e arrojada, os traços do que viria a ser a Bossa Nova...isto sem falar nas articulações organizadasdos membros deste movimento, como o grande Tom Jobin , que alem de extremamente musical era um estudante inveterado das obras impressionistas de Debussy, de Villa Lobos e da obra de Drumond de Andrede.., Baden Powell tambem, genial , se valau dos estudos do choro, da msuca classica e do jazz tambem...mas dai faço uma pergunta a quem quer que a musica do Rio Grande do Sul saia pelo mundo e conquiste outros espaços ...e reclama que nada ou quase na da acontece:
Será que estamos tendo atitudes semalhantes a estes dois grandes movimentos musicais?
Parabéns Ruben Penz, voce escreve fantasticamente, só quiz complementar!
Um abraço a todos
Maurício Marques
Maurício Marques, Viamão 14/12/2011 - 15:01

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "145407" no campo ao lado.
 
  

 

  Resenhas

As resenhas pubicadas no portal Artistas Gaúchos são de inteira responsabilidade dos articulistas. Se você deseja enviar um texto, entre em contato com o editor do portal. Não é necessário estar cadastrado no portal para enviar resenhas e a veiculação ou não é uma escolha editorial.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Resenhas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na