artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Teatro

E o ponto G falou
Marcelo Spalding

Fotos de Paulo Kunzler
Fotos de Paulo Kunzler

O que a jovem Fabíola, a acompanhada Taciana e as senhoras do Projeto Muito Prazer, destinado a mulheres de mais de 40 anos, têm em comum? O ponto G. Sim, o ponto G, aquela pequena área feminina localizada atrás do osso púbico, perto do canal da uretra e acessíveis através da parede anterior da vagina, segundo definição enciclopédica.

Muito mais divertida e abrangente é a definição que Patsy Cecato e Heloísa Migliavacca inventam para o tal ponto G na quase debutante “Se meu ponto G falasse”, presença constante nos Porto Verões. Através de esquetes divertidas, debochadas e desbocadas, por que não?, as duas mulheres começam falando dos homens, revelam detalhes íntimos e desejos sexuais reprimidos para tocar cena a cena em alguns dos dilemas da mulher moderna, como a exigência da eterna juventude, a necessidade de conciliar vida profissional e pessoal e a sempre difícil tarefa de recomeçar.

Talvez seja essa profundidade escondida no riso fácil do texto de Patsy, Heloísa e Julio Conte que explique a real satisfação do público, formado por homens, mulheres, casais, solteiros, jovens, nem tão jovens, nada jovens. Fabíola, estudante de 17 anos, decerto uma aprendiz diante do cardápio pornográfico apresentado na peça, não esconde o sorriso e confessa ter se identificado em muitos momentos. Assim como o casal Taciana e Marcos, namorados recentes que talvez do palco tirem lições que os levem adiante, até um dia 27 de setembro... Mas foi o entusiasmo de um grupo de senhoras de Alvorada, que se aglomerava na entrada da AMRIGS para uma foto, que mais chamou a atenção.

Participantes do Projeto Muito Prazer, da ONG Espaço Multidisciplinar Bem-me-QUERO, destinada a mulheres de mais de 40 anos, pareciam à vontade e nada chocadas com as verdades e termos crus utilizados na peça. Raquel Alifredi Paulachi, psicóloga e coordenadora do grupo, acredita que esse tratamento sem muitos rodeios ou melindres é o ponto alto da peça, que faz o público se sentir à vontade diante de um tema transformado em tabu, a sexualidade. Para a psicóloga, “enquanto o assunto sexualidade for tratado como tabu, algo feio, de forma até mesmo infatilizada, o inverso também acontecerá: sexualidade humana banalizada e exposta a comportamentos de risco”.

Raquel também revelou um aspecto interessante, quase educativo que fez o grupo de mulheres se deslocar de Alvorada à AMRIGS: “uma das justificativas para acontecer esse projeto da ONG é o alto índice de mulheres acima de 40 anos contaminadas pelo HIV. Estamos vivendo a era do Viagra, onde o homem consegue explorar mais sua virilidade e muitas vezes acaba acontecendo a “pulada de cerca”, colocando em risco de contaminação esse sujeito e sua esposa. Por outro lado, mulheres com essa faixa de idade tiveram enormes falhas na sua educação, muitas vezes uma educação repressora, sem comunicação, ainda mais para se falar em sexualidade”.

De fato, é interessante como podemos ficar chocados com uma mulher tão distinta como a Patsy falando “puta”, outra não menos madura como a Heloísa mostrando calcinha e sutiã, ambas encenando cenas de penetração, felação ou masturbação. E nos chocamos porque nossa mídia, ao mesmo tempo que não hesita em exibir cenas sensualizadas na novela das nove ou corpos esculturais confinados numa casa, esconde palavrões com “pis” e resume educação sexual a “use camisinha”, ignorando as diversas facetas de uma geração perdida entre a liberdade de valores e os riscos sanitários.

Já a peça, dando voz ao ponto G, o ponto misterioso e sem censura, dispensa as máscaras e silêncios e revela também para os homens que para as mulheres sexo é muito mais que orgasmo, muito mais que ponto G, mas também é orgasmo e ponto G, seja para a jovem Fabíola, para a acompanhada Taciana, para as senhoras do Projeto Muito Prazer ou para as distintas Patsy e Heloísa.


14/02/2008

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "270508" no campo ao lado.
 
  

 

  Reportagens

As reportagens especiais do Artistas Gaúchos são feitas pela equipe do portal. Se você gostaria de cobertura para seu evento (lançamentos, espetáculos, festivais), envie release para o editor.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Reportagens:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na